Você está aqui: Página Inicial > Campus > Barreiros > Notícias > Fórum de Turismo alerta sobre os direitos das pessoas com deficiência

Notícias

Fórum de Turismo alerta sobre os direitos das pessoas com deficiência

Evento foi organizado pelos alunos do curso técnico em Hospedagem do IFPE-Barreiros e teve a presença de representantes de toda a comunidade
por publicado: 11/03/2017 09h52 última modificação: 14/03/2017 13h47

Albano se preparou para uma noite especial. O estudante que tem deficiência auditiva escolheu o melhor terno no guarda-roupa, colocou um sorriso largo e espontâneo no rosto e anunciou, com o auxílio dos intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), todos os participantes do XXIII Fórum de Turismo do IFPE-Barreiros, realizado na noite desta quinta-feira (9), no auditório do Campus.

"É a primeira vez que sou mestre de cerimônias. Fiquei com frio na barriga por vários dias, mas treinei bastante e agora já estou mais calmo. Como eu sou aluno do curso de Hospedagem do IFPE, meu sonho é poder transmitir tudo que eu aprendi nas aulas e ajudar outras pessoas com deficiência," disse o estudante Albano Ramos, sobre a felicidade de ter recebido o convite.

Cerca de 200 pessoas participaram do evento que teve como tema a importância da acessibilidade no turismo e hospedagem, tanto sob o ponto de vista do atendimento ao turista com deficiência, como também a inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. O professor de administração Artur Mendonça, que tem 22 anos de militância nessa área, foi um dos palestrantes.

“Claro que é importante que os espaços físicos tenham rampa para o cadeirante, textos em braile para os deficientes visuais, mas a acessibilidade vai além disso. É preciso que em qualquer situação, seja de trabalho ou lazer, a pessoa com deficiência tenha independência e autonomia, ou seja, consiga resolver atividades do seu dia-a-dia sem precisar de ajuda”, destacou.

O professor deu como exemplo a participação de um cadeirante em uma trilha. Se uma empresa oferece esse passeio, ela tem que dar condições para que a pessoa com deficiência também participe: “É muito comum as empresas de turismo, ou hotéis, estabelecerem regras que valem para todos os clientes. Mas elas precisam se ajustar às necessidades de quem contratou o serviço. Não é correto, por exemplo, alguém com deficiência contratar um pacote, pagar o mesmo preço que qualquer outro cliente, e não ter o mesmo direito de participar da atividade por causa de alguma limitação física”, ressaltou.

Além das palestras, o Fórum de Turismo teve a apresentação da Banda Força Especial e Grupo de Dança Arco-Íris dos Sonhos, do Centro de Reabilitação e Valorização da Criança (CERVAC) de Recife. Maria de Fátima Correia, mãe de um dos integrantes do grupo, vibrava na plateia enquanto o filho se apresentava no palco. “Meu filho tem 33 anos e Síndrome de Down. No passado, todo mundo dizia que ele não viveria muito e hoje eu vejo ele aí, cheio de saúde, e dançando.  O Evandro é um artista, o meu artista, derrete-se a mãe.