Você está aqui: Página Inicial > Campus > Olinda > Notícias > Estudantes expõem obras produzidas com papel machê

Notícias

Estudantes expõem obras produzidas com papel machê

Produções foram realizadas na disciplina de Artes Visuais e no curso de extensão de machê
por publicado: 05/03/2020 10h58 última modificação: 05/03/2020 10h58

Nas mãos dos estudantes da disciplina Fundamentos da Linguagem Visual I, do curso de Artes visuais, o papel machê ganha forma de mulheres, homens, animais e seres que brotam da imaginação. Tudo isso resultado de um exercício desenvolvido em sala. A produção pode ser conferida na exposição instalada no pátio do IFPE Olinda. O espaço ainda abriga obras dos participantes do curso de extensão de papel machê.

No caso das produções realizadas na disciplina, o exercício era para colocar em prática conceitos de tridimensionalidade e textura.  “Optamos pelo machê, pois não precisa utilizar forno e também é um material de fácil acesso para os estudantes. Além disso, na técnica podemos aplicar outros conhecimentos como uso de cor e proporção”, explica a professora.

As outras obras que completam a exposição são dos estudantes que participaram do curso de extensão, oferecido à comunidade em 2019. Durante a capacitação, eles conversaram com artistas convidados e conheceram obras realizadas por meio da técnica.

“Antes via o papel machê como uma técnica para fazer coisas coloridinhas, mal acabadas. Era um estilo do qual não gostava. Depois que tive contato com a técnica, através da professora Analine, fiquei apaixonada pelo machê. Fiz o curso de extensão e conheci várias obras incríveis. Minha visão mudou”, conta Maria Júlia Duarte, que já fez folhas, pratos, cabeças e pingentes de bijuteria.

A empolgação também tomou conta da estudante Manuela Lúcia Paulino.  “Foi maravilhoso participar do curso, para aprimorar a técnica. Sou iniciante no machê. Gosto muito de modelagem e escultura e agora quero fazer tudo com machê”,ressalta. Manuela passou a empregar a técnica até em trabalhos de outras disciplinas. Na de Português, por exemplo, ela fez um matador e uma prostituta, inspirada no conto barroco de Osman Lins.

O curso de extensão de machê foi uma ação do grupo de pesquisa “Processos de criação na tridimensionalidade de artistas contemporâneos pernambucanos”. Entre os planos para 2020, a professora Analine adianta que haverá um segundo módulo do curso, com foco na produção de bijuterias.

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MACHÊ – A origem da técnica é milenar e surgiu na China, onde foram identificados os primeiros sinais de seu uso. A civilização oriental é a que mais se dedica ao seu uso, seja produzindo utensílios domésticos ou objetos de decoração. A porta de entrada para o Ocidente foi a Europa, especialmente a França, que atribuiu valor artístico e refinado à técnica.