Você está aqui: Página Inicial > Campus > Recife > Notícias > Campus Recife homenageia maestrina do Coral

Notícias

Campus Recife homenageia maestrina do Coral

A professora Lucivanda Silva, regente do coral por mais de 20 anos, se despede do Campus com apresentação em homenagem aos 107 anos da Instituição
por publicado: 23/09/2016 11h40 última modificação: 23/09/2016 11h40

A manhã da última quarta (21) foi particularmente emocionante para os integrantes do Coral Vozes do IFPE. Além de se apresentarem como parte da programação de comemoração dos 107 anos do Campus Recife, o grupo estava também cantando a despedida de sua regente, a professora Lucivanda Silva. O grupo cantou músicas de um repertório já consolidado, que dá maior ênfase aos ritmos nordestinos, como Maracatu e Caboclinho. Por se tratar de uma apresentação especial, os participantes trouxeram como novidade uma performance da música “Admirável Chip Novo”, da cantora e compositora  Pitty, em que misturaram música e expressões teatrais.

Entre os integrantes da platéia, o diretor-geral do Campus Recife Marivaldo Rosas destacou o trabalho de Lucivanda e sua partida para o Instituto Federal do Ceará. “A professora está indo numa cooperação técnica para Fortaleza, mas vai deixar não só saudade aqui, mas também um grande legado de cultura e arte”, disse o diretor. Bastante emocionada com a homenagem, a maestrina do Coral ressaltou que seus mais de 20 anos do Campus Recife foram marcados por muitos momentos de felicidade e reconhecimento de seu trabalho: “Só tenho o que agradecer a todos pela bela história que vivi”.

 

Sobre Lucivanda e o Coral  

Em 1995, Lucivanda Silva começava a fazer parte da comunidade acadêmica do IFPE como professora de Música. De cara, já assumia uma enorme responsabilidade dentro do Campus Recife: reger o grupo de Canto-Coral, atividade que fez parte de toda a sua trajetória na instituição. Passados 21 anos, Lucivanda se despede do Campus, nesta quarta-feira (21), regendo pela última vez o grupo do Coral. A professora solicitou sua transferência para o IFCE, por causa da sua mudança para Fortaleza devido a questões pessoais. Mas apesar das emoções e homenagens, sua despedida não foi sinônimo de tristeza.

Graduada em Licenciatura em Música, Bacharelado em Flauta e Mestre em Educação Brasileira, Lucivanda também comandava o grupo de flautistas do instituto. No Coral, sempre aceitou estudantes iniciantes de braços abertos, porque, para ela, todo mundo pode – e consegue – cantar. São, em média, 45 pessoas que fazem parte do grupo. Além disso, na sua opinião, atividades culturais devem ser estimuladas dentro do ambiente acadêmico, fazendo com que os discentes sintam prazer em freqüentar a instituição. “Alguns alunos já vieram me falar que uma das coisas que incentivavam eles a continuar no IF era o Coral. Eu me senti muito feliz, senti que a função do coro está sendo cumprida”, afirma.  

Por se tratar de uma atividade de extensão, o Coral recebe, além de estudantes e servidores, o público externo, principalmente ex-alunos do instituto. Segundo Lucivanda, há pessoas que fazem parte do grupo desde 2007. Além disso, vários participantes deram continuidade ao desejo e talento de cantar, realizando graduações na área de Música, o que a professora acredita que seja fruto de um estímulo proporcionado nas atividades do Coral.

E qual o segredo para passar tanto tempo á frente de uma atividade destas e ser tão querida por todos os participantes? Provavelmente a dedicação e o zelo que a docente de Música sempre teve o cuidado de manter em seu trabalho durante todos esses anos. “É importante que, junto ao ensino, se criem laços afetivos com os estudantes. Acho que essa é a função principal do professor, e, no meu caso, o Coral é só um veículo que me ajuda a caminhar com meus alunos”, opina.

Neste ano, a professora solicitou transferência para o Instituto Federal do Ceará, já que está de mudança para Fortaleza, onde mora sua família. O sentimento da despedida é de saudade, mas também de alegria e missão cumprida. “Vou ficar com muita saudade. Meu trabalho aqui foi bastante reconhecido e isso me deu ânimo para realizar tudo com carinho. Eu só tenho a agradecer a todos”, finaliza.